terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

CASA ARRUMADA

Casa Arrumada


Casa arrumada é assim:


Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz.
Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um cenário de novela.
Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas...
Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo:
Aqui tem vida...
Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar.
Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha.
Sofá sem mancha?
Tapete sem fio puxado?
Mesa sem marca de copo?
Tá na cara que é casa sem festa.
E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde.
Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto...
Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda.
A que está sempre pronta pros amigos, filhos...
Netos, pros vizinhos...
E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia.
Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.

Arrume a sua casa todos os dias...
Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela...
E reconhecer nela o seu lugar.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

COMUNICADO




























O AMOR E A MATEMÁTICA (O Nº PI)

























O AMOR E A MATEMÁTICA (O Nº PI)


FRANCISCO DELIANE©




Alucinado com a constância do rolar das ondas lá na praia,

Fascinado com o espalhamento de uma colônia de cogumelo,

Com o trajeto aparente diário das estrelas no céu terrestre, 

Encontrei pois entre o amor e o numero PI o verdadeiro elo



O estudo de um sem número de fenômenos e objetos, 

Associados, é claro, às idéias de simetria circular e esférica. 

Que de um modo quase que inexorável acabam produzindo o PI 

Eis que vejo no amor verdadeira grandeza estratosférica



Assim como o PI é uma das constantes universais da Matemática.

O amor universalizado se faz constante na alegria e na felicidade

Porém, no amor... um outro elo, a saudade é quase sempre emblemática



Se no nº PI há uma certeza resultante da simetria da esfera

Sei agora que o amor tem uma explicação singela e matemática

É circular, em tudo está e não se cansa enquanto espera.


terça-feira, 17 de dezembro de 2013

RESULTADO DO CONCURSO LITERÁRIO VIDAS E VERSOS

Com imensurável prazer apresentamos o 

resultado do Concurso de Poesia 

"Vidas e Versos"


POETA
POESIA
CLASSIF.
ADALBERTO NUNES PEREIRA FILHO
ACORDEI CLARICE
Part. Ant.
ANA ANTUNES
O NOSSO AMOR
Part. Ant.
ANA LUIZA SOUZA MAZZARI
A FALTA
Part. Ant.
ANA UCHOA
ASMA NA FLORESTA
2º LUGAR
CARLOS ALMEIDA                   
AMOR NOVO VIDA NOVA
Part. Ant.
CARLOS BRUNNO S. BARBOSA
TUDO QUE NÃO FALEI PRA VOCÊ
Part. Ant.
CARLOS VAZ DE CARVALHO
UMA PALAVRA TUA
Part. Ant.
CARLOS RÍMOLO
SUPLÍCIO E MORTE DO JANGADEIRO
Part. Ant.
DANKA MAIA
A CIGANA
6º LUGAR
DEBORA PLATES
DEZENOVE-ZERO-TRÊS
5º  LUGAR
FLÁVIA FREITAS
SENHOR AJUDE-ME...
Part. Ant.
JULIANE LEMOS
CRUEL AMOR
Part. Ant.
LEINECY PEREIRA DORNELES
PEDAÇOS DE TRISTEZAS DE MIM
7º LUGAR
LUCIVALDO FERREIRA
ALGORITMO
Part. Ant.
LUIS EUCAROSI
SONETO DOS FANTASMAS PESSOAIS
8º LUGAR
MARIA ANITA GUEDES
GRITAS
Part. Ant.
MARIAH PONTES
LEMBRANÇAS
3º LUGAR
MÁRCIA G DE OLIVEIRA
É SEDA...
Part. Ant.
MÁRCIO ROCHA
VIM
Part. Ant.
MARCOAURÉLIO TISI
BOATO
Part. Ant.
MIGUEL VIEIRA
MEU PAI
Part. Ant.
OLLIVER BRASIL 
BRAVIO
Part. Ant.
ONILDO BARBOSA
LAMENTO DE UM JURITÍ
Part. Ant.
PAULO FERREIRA
LÁGRIMAS DO MEU CANTO
Part. Ant.
PAULO MELO
IRREMEDIÁVEL ROTINA
1º LUGAR
PEROTTI DE OLIVEIRA
LEMBRANÇAS
9º LUGAR
RAFAEL RODIGO MARAJÁ
NOTÍCIA
Part. Ant.
RUI CASTRO
CONVICÇÃO
10º LUGAR
SERGIO CORREIA ALMEIDA
SE AMOR HOUVESSE
Part. Ant.
SÍLVIA MOTA
SOLITUDE
4º LUGAR
VALÉRIA PINTO
MANCHA NEGRA
Part. Ant.
WESLEY D'AMICO
ACREDITAR NO AMOR
Part. Ant.






terça-feira, 3 de dezembro de 2013

"A VOLTA" - UM SONETO DO POETA FRANCISCO DELIANE






"A VOLTA"






Creia. Minha alma transbordou de mim

Agora anima a outro que já não sou eu

Fito-me no espelho e não vejo em mim

O homem cheio do amor que era só teu



Minha alma... creia, transbordou de mim

Esvaiu-se na dura desilusão da tua partida

Ficou somente eu e a solidão neste palco

Onde em um dia glorioso vicejou a vida



Minha alma, creia, transbordou de mim

E perambula sempre a minha volta

Por não acreditar que chegou o fim



Do amor que espero voltar a minha porta

Porque o verdadeiro amor nunca tem fim

E haverá sempre o momento de sua volta


Fonte: http://www.apoesiadefranciscodeliane.blogspot.com.br